Pular para o conteúdo Vá para o rodapé

Bolsonaro fez a farra nos gastos com cartão corporativo

O ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) gastou R$ 27,6 milhões em despesas no cartão corporativo. Os gastos, muitas deles, chamam a atenção por suas particularidades. O salário do ex-presidente era de R$ 30,9 mil, o que lhe dava plenas condições financeiras para comprar, por exemplo, doces, sorvetes e afins. No entanto, era do cartão corporativo que saia o dinheiro público para Bolsonaro comer suas guloseimas. Ele gastou mais de R$ 8,6 mil em sorveterias do Distrito Federal.

As informações foram conseguidas pela Fiquem Sabendo – agência de dados públicos especializada na LAI (Lei de Acesso à Informação) e publicadas pelo jornal Estadão. Elas vêm à público um dia após o sigilo de 100 anos impostos por Bolsonaro, às visitas recebidas pela ex-primeira dama Michelle, terem sido reveladas.

Os valores não condizem com a retórica de Bolsonaro – de ser um homem de costumes simples. Isso porque os gastos são bem maiores e não se referem apenas à gula do ex-presidente. De acordo com as informações, cerca de R$ 13,6 milhões foram gastos com hospedagens em hotéis de luxo.

Um deles é o Ferraretto Hotel, no Guarujá, litoral de São Paulo, onde o presidente esteve em férias em períodos como o fim do ano de 2021 e no Carnaval de 2022, fazendo passeios de moto e jet-ski, sem cumprir nenhuma agenda oficial e sendo bancado por dinheiro público.

O total recebido pelo estabelecimento soma R$ 1,46 milhão, valor suficiente para bancar oito anos em hospedagem, considerando um valor médio de R$ 500 por diária.

A revelação dos gastos de Bolsonaro com dinheiro público foi motivo de revoltada nas redes sociais. O deputado Guilherme Boulos (Psol-SP) foi um dos que criticou o ex-presidente.

Outros gastos supérfluos com dinheiro público

Ainda segundo a lista de gastos com o cartão, há valores que se referem a compras em padarias. Em uma delas, a padaria Santa Marta, no Rio de Janeiro, recebeu em média R$ 18 mil reais por nota emitida, ou seja, por compras feitas no estabelecimento. A maior delas foi de um total de R$ 55 mil reais.  O valor equivale hoje a cerca de 42 salários mínimos gastos em uma única compra.

Chama a atenção ainda a data de um dos gastos, no valor de R$ 33 mil, feito em dia 22 de maio de 2021, véspera de uma motociata realizada pelo ex-presidente e seus apoiadores, já em tom de campanha eleitoral, no Rio de Janeiro.

Outro gasto com hospedagens e alimentação e que também coincide com motociatas bolsonaristas foi feito no Rio Grande do Sul, em julho de 2021, quando foram pagos R$ 166 mil dos cofres públicos.

Sigilo de 100 anos

O Governo Federal deu início ao cumprimento de um dos compromissos firmados pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), ainda durante a campanha, de respeitar a Lei de Acesso à Informação e quebrar o sigilo de 100 anos imposto pelo ex-presidente Jair Bolsonaro a vários assuntos de interesse público.

Ao todo foram 65 casos como o processo das rachadinhas do senador Flávio Bolsonaro (RJ), a prisão do ex-jogador de futebol Ronaldinho Gaúcho, aliado do clã Bolsonaro, o cartão de vacinação, os gastos do cartão corporativo, além das visitas de Michele.

Uma das primeiras ações de Lula após assumir o mandato foi determinar à CGU (Controladoria Geral da União) para que analisasse todos os sigilos em um prazo de 30 dias.

Por CUT Nacional, com edição de Rosely Rocha

Deixe um comentário

0/100

the Kick-ass Multipurpose WordPress Theme

© 2024 Kicker. All Rights Reserved.

Sign Up to Our Newsletter

Be the first to know the latest updates

[yikes-mailchimp form="1"]