Pular para o conteúdo Vá para o rodapé

Campanha Tributar Super-Ricos chama a atenção para votações no Congresso

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O Congresso Nacional deve analisar nesta semana três projetos importantes para o país. O governo espera votar até esta terça-feira (4/07), na Câmara dos Deputados, o Projeto de Lei que retoma o chamado voto de qualidade no Carf (Conselho Administrativo de Recursos Fiscais). O projeto tramita sob regime de urgência, trancando a pauta do plenário da Casa. Resolvida a questão, o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL) também deve pautar a votação do relatório da reforma tributária.

Além disso, os deputados devem votar novamente o novo arcabouço fiscal, depois que o Senado aprovou o projeto com mudanças na semana passada. O relatório do senador Omar Aziz (PSD-AM) retirou o FCDF (Fundo Constitucional do Distrito Federal), o Fundeb (Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica) e gastos com ciência, tecnologia e inovação dos limites de gastos impostos pelo arcabouço fiscal. Agora, a Câmara avaliará se mantém ou não as modificações aprovadas pelos senadores.

Justiça social

Para a campanha Tributar os Super-Ricos – que reúne mais de 70 organizações sociais, entidades e sindicatos – restaurar o voto de qualidade no Carf promove justiça fiscal, reduz os privilégios de grandes devedores e assegura bilhões em receita para o país, combatendo desvios tributários. O objetivo da medida é que o governo federal tenha o voto final nas decisões do conselho. De acordo com o Ministério da Fazenda, a mudança deve aumentar em R$ 50 bilhões a arrecadação neste ano.

Da mesma maneira, a campanha pressiona pela inclusão dos super-ricos na proposta de reforma tributária. O governo, no entanto, já sinalizou que as mudanças no sistema tributário ocorrerão em duas etapas. A primeira, em tramitação atualmente no Congresso pretende simplificar a cobrança de impostos sobre o consumo no Brasil. Mudanças nos tributos diretos sobre a renda devem ficar para o segundo semestre.

Por outro lado, as mudanças propostas pelo Omar Aziz no arcabouço tornam as regras fiscais menos rígidas. As organizações sociais, entidades e Sindicatos consideram as novas regras um avanço, quando comparadas com o teto de gastos, que congelou os gastos sociais. No entanto, a campanha afirma que o Estado brasileiro vai precisar de mais recursos para financiar as políticas sociais. E defende que tais recursos deveriam vir justamente dos super-ricos, com aumento dos impostos para quem ganha mais.

Pressão

“Colocar o pobre no orçamento e o rico no imposto de renda é uma luta contínua”, diz a publicação da campanha nas redes sociais. “A Câmara Federal e o Senado precisam estar do lado do povo, do Brasil, da justiça fiscal, não dos super-ricos e aproveitadores! Temos de ficar de olho e cobrar um país com mais igualdade e menos privilégios”.

Assim, a personagem Niara, uma menina negra criada pelo cartunista Aroeira, afirma que é necessário pressionar o Congresso, para que os parlamentares votem de acordo com os interesses da maioria da população:
Fonte: Rede Brasil Atual

Deixe um comentário

0/100

the Kick-ass Multipurpose WordPress Theme

© 2024 Kicker. All Rights Reserved.

Sign Up to Our Newsletter

Be the first to know the latest updates

[yikes-mailchimp form="1"]