Pular para o conteúdo Vá para o rodapé

Pedro Guimarães se torna réu nos casos de assédio na Caixa

O presidente da Federação Fenae (Nacional das Associações do Pessoal da Caixa Econômica Federal), Sergio Takemoto, voltou a cobrar punição rigorosa para as pessoas denunciadas por prática de assédio moral e sexual na Caixa. Na quinta (30/03), a imprensa divulgou que a Justiça Federal acatou denúncia ajuizada em Brasília pelo Ministério Público Federal. Com a decisão, o ex-presidente do banco público, Pedro Guimarães, virou réu no processo que apura casos de assédio contra empregadas da empresa.

“A decisão da justiça é fundamental para punir os envolvidos em casos de assédio na Caixa. Precisamos criminalizar essa prática que, lamentavelmente, tornou-se um modelo de gestão no banco durante o governo do ex-presidente Bolsonaro e da administração de Pedro Guimarães”, reforçou Takemoto.

Segundo ele, era preocupante o aumento das pressões nos trabalhadores e as denúncias de assédio moral na empresa. “O assédio se dava em todos os níveis, não só nos locais de trabalho, mas também na alta administração da empresa, refletindo no clima e nas condições de saúde dos trabalhadores da Caixa”, acrescentou o presidente da Fenae.

As denúncias de assédio na estatal vieram a público em 28 de junho de 2022, quando empregadas do banco público decidiram romper o silêncio e denunciar o que estavam passando.

Junto com outras entidades representativas dos trabalhadores, a Fenae passou a atuar fortemente na defesa da apuração rigorosa do caso e a saída imediata de Guimarães, fato que aconteceu no dia seguinte às publicações. À época, a Fenae se solidarizou e prestou apoio incondicional às vítimas.

Há tempos a Fenae alertava sobre a gestão pelo medo da direção da Caixa no governo Bolsonaro. As queixas de assédio moral estavam relacionadas a cobranças de metas desumanas e jornadas de trabalho extenuantes. Durante a pandemia, os casos pioraram e o banco público foi denunciado pelo MPT (Ministério Público do Trabalho) do Distrito Federal, em 2021.

Pesquisa encomendada pela Fenae, em 2021, sobre o assédio moral no banco apontou que de cada 10 empregados, seis sofreram assédio. 77% já presenciaram a prática do crime no ambiente de trabalho. Mais de 90% já sentiram pressão ou ansiedade no âmbito da Caixa e 42% relataram problemas de saúde relacionados ao desempenho das atividades na empresa.

Fonte: Fenae

Deixe um comentário

0/100

the Kick-ass Multipurpose WordPress Theme

© 2024 Kicker. All Rights Reserved.

Sign Up to Our Newsletter

Be the first to know the latest updates

[yikes-mailchimp form="1"]