Pular para o conteúdo Vá para o rodapé

Retomada da economia brasileira exige juros baixos

Com a Selic definida pelo BC (Banco Central) em 13,75%, a mais alta taxa básica de juros do mundo, os investimentos em títulos e fundos se tornam mais rentáveis que a produção. Resultado: a economia para, trabalhadores são demitidos e os salários caem. A presidenta da Contraf-CUT (Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro), Juvandia Moreira, observa que “nesse cenário, o investimento no mercado financeiro rende 8%, já descontada a inflação, e isso só favorece rentistas, que vivem da especulação sem produzir nada”.

Quando a Selic sobe, todas as possibilidades de investimentos produtivos são afetadas. Como explica o economista do Dieese (Departamento Intersindical de Estudos Socioeconômicos), Gustavo Cavarzan, “com essa opção de ganho, quem tem recursos prefere investir no mercado financeiro e ficar com os juros, e não se dedicar a um empreendimento”. Também surgem muitas outras travas para a produção. “O crédito bancário fica mais caro e desestimula consumo e atividade produtiva, o real se valoriza e derruba as exportações, o governo gasta mais com os juros da dívida e os investimentos públicos diminuem. Todos esses fatores enfraquecem a economia, então o desemprego cresce e a renda dos trabalhadores cai”, completa o economista.

Conforme observado em apresentação elaborada pela Rede Bancários do Dieese (A elevação dos juros no Brasil e seus impactos na economia), em função desse quadro de juros altos, os gastos anuais do governo com a dívida pública saltaram da casa dos R$ 300 bilhões no primeiro semestre de 2021 para praticamente o dobro nos últimos meses. O estudo também mostra suas consequências no ritmo de atividade econômica em 2023, com crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) previsto para apenas 0,9%, um terço em relação a 2022; e nos juros bancários, hoje ao redor de assustadores 30%. Enquanto isso, na comparação entre um período de nove meses de 2021 e de 2022, a receita dos cinco maiores bancos pulou de R$ 280 bilhões para R$ 385,7 bilhões (38%), apenas com operações de crédito, e de R$ 80,1 bilhões para R$ 168,8 bilhões (111%), com títulos e valores mobiliários (TVM). Confira a apresentação do Dieese aqui.

Para a sociedade, os impactos negativos são muitos. “Todo esse processo faz com que as riquezas se concentrem ainda mais e a miséria aumente no país”, resume Juvandia, que também é coordenadora do Comando Nacional dos Bancários. “O Brasil precisa de investimento em atividades que geram emprego e renda, como o micro e pequeno negócio e a agricultura familiar. A economia precisa voltar a funcionar, e essa necessidade é urgente, pois os juros como estão têm um efeito nocivo prolongado, e as taxas elevadas de hoje podem atrapalhar as atividades produtivas pelos próximos anos”, explica.

Juros baixos já!

A categoria bancária se mobilizou, na última terça-feira (14), contra os juros altos determinados pelo Banco Central frente aos prédios da instituição em diversos estados e atos m locais de grande circulação em várias cidade do País.

As manifestações, que também pediram a saída do atual presidente do BC, Roberto Campos Neto, foram organizados pelo Comando Nacional dos Bancários, a Contraf-CUT, a CUT, outras Centrais Sindicais e entidades.

A presidenta da Contraf-CUT diz que os protestos foram “um alerta para o Brasil, para exigir mudanças no BC, que ainda é presidido por um bolsonarista”. Segundo Juvandia, “o povo elegeu um novo projeto, de crescimento, desenvolvimento, distribuição de renda e atenção ao povo brasileiro”. Por outro lado, ela lembra que “Campos Neto fez campanha, foi votar de verde-amarelo, participava dos grupos de WhatsApp dos ministros do governo anterior e continua fazendo a política do Paulo Guedes. O tempo dele acabou, tem que pedir para sair”.

Leia também:

 Seminário digital discute papel da Selic no desempenho econômico do país

 Juros altos sabotam o crescimento econômico

 Protestos contra juros altos ocorrem em todo o Brasil

 Atos contra juros altos começam em todo o Brasil

 Bancários protestam de norte a sul contra juros altos

 Banco Central não tem autonomia em relação ao mercado financeiro

 Centrais sindicais fazem ato contra juros altos nesta terça (14) em dez cidades

 Taxa de juros de 13,75% favorece apenas 1% dos mais ricos e trava a economia

Campos Neto sinaliza que Banco Central não vai mudar taxa de juros. Movimentos protestam hoje

Fonte: Contraf-CUT

Deixe um comentário

0/100

the Kick-ass Multipurpose WordPress Theme

© 2024 Kicker. All Rights Reserved.

Sign Up to Our Newsletter

Be the first to know the latest updates

[yikes-mailchimp form="1"]